Revertigo – O reencontro dos amigos de infância

Fui desafiada num sábado à tarde a escrever sobre histórias de “infância” e “adolescência” e challenge accepted*. É engraçado ver que quem você era aos 16 anos ainda faz parte de você ainda está lá, faz parte da sua essência.

Em vários momentos quando você se reúne com antigos colegas você identifica aqueles detalhes que como pequenos afagos nos lembram de épocas distantes. Estes detalhes podem ser desde recolher os pratos da mesa, organizar o evento, dizer que vai escrever um livro, contar que ficou com mais alguém do grupo, ou então ter uma sacada genial. Cada um tem seu espaço seja ele o mais maduro do grupo, o mais responsável, o mais engraçado, o mais sábio, a mais vadia, o mais alcoólatra, a mais chata, a mais manipuladora, a líder, o mais sem noção, o mais emocional, o mais chorão, a mais inteligente, o mais apaixonado, enfim, cada grupo irá ter sua particularidade, mas só terá o sentimento de completo quando todos estiverem lá.

Isso me lembra uma coisa. E o fulano? Como está? Ah você não ficou sabendo? Seja presencialmente ou não todos sempre estarão lá.  Alguns grupos podem ter sido melhores amigos do fundamental, do médio ou colegial, da faculdade, do cursinho e quando se reúnem o tempo não passou. O seriado How I Met Your Mother exemplificou como “Revertigo” um fenômeno que realmente se vê. Não importa quão madura a pessoa é. A partir do momento que ela encontra alguém do seu passado, ela passa a agir como se tivesse a idade de quando se conheceram. Bom. Eu passei por isso hoje.

Realmente percebe-se que quem você era naquela época estava ali dormente o tempo todo e que basta as outras pessoas estarem ao seu lado que este seu eu interior vem a tona. Entretanto, a magia do tempo esta ai para ensinar uma coisa: Você não precisa agir da mesma forma. Você pode pegar toda experiência de vida que teve nos anos que se passaram, toda sabedoria e maturidade e aplicar nas suas conversas e nas suas reações. Você não precisa agir como adolescente. SIM, é possível.

É interessante observar que algumas pessoas não conseguem se comportar melhor em público, simplesmente porque estão presas lá trás e não se tornaram pessoas mais evoluídas. É isso que eram e ali que pararam. Por outro lado, outras podem te surpreender e serem muito mais interessantes e terem opiniões de vida com muito a contribuir.

Outra observação sensacional a ser feita é o quanto a memória das pessoas se torna falha em alguns momentos e muito específica em outros. Quando é interessante e conveniente esquecer-se de alguma coisa e quando não é. Entre alguns pode até rolar a intimidade histórica de omitir um segredo ou outro, enquanto outros “segredos” serão jogados na cara e outros fatos serão modificados por livre e espontânea vontade. Depende de quem conta a história e de quem está prestando a atenção. Se você pisar em um calinho a mais o outro saberá mais do seu passado negro do que você mesmo, então cuidado.

Minha conclusão de sair com amigos que não via há dez anos? Podemos nos surpreender e muito! Positiva e negativamente. Você já não é mais um Charmander, é um Charmelion, quiçá um Charizard, mas se prefere ser Pikachu para sempre só posso ter dó de você.


 

*challenge accepted = Frase de efeito dita por Barney Stinson (Neil Patrick Harris) sempre que alguém o desafiava.

[M.R.]

Comments

comments