Não prende não, senão o amor não vem!

“Se você prende quem se afasta, pode impedir o caminho de quem se aproxima”. Essa frase atribuída a Carl Jung define bem um impasse: como saber quando devemos parar de tentar?

Eu acredito em alma gêmea, aquelas mesmas, dos filmes de Hollywood e quando conheço alguém, sempre fico pensando “será que essa pessoa é realmente alguém importante no meu caminho?”, não acho que tenhamos apenas uma alma gêmea na vida, acho inclusive que elas podem se manifestar de várias formas, amigos queridos, primos amados, pais impressionantes.

Mas há sempre aquela pessoa…AQUELA pessoa. Alguém que você vê pela primeira vez e é arrebatador. Que você olha nos olhos e não sabe muito bem como lidar com a profundidade que enxerga. Aquele alguém que quando se aproxima de você, seu corpo responde instantaneamente e involuntariamente.

Há sempre um alguém que, mesmo que não seja amor à primeira vista, te chama com os olhos, com o corpo, com o cheiro. Uma pessoa que ficar ao lado nunca é o bastante.

Há sempre alguém com quem as horas passam voando, os dias são mais gostosos quando você fala “oi” para essa pessoa.

Aquele alguém que você apresenta para os amigos para saber se não está delirando. Afinal, existe alguém tão incrível assim? Ou é tudo fruto da minha imaginação?

É o seu “tesouro do destino ao longo da vida” (como já falei em outro texto por aqui), que vem embrulhado para presente pelo destino, te atravessa, te esvazia e te completa ao mesmo tempo.

Acho que isso tudo responde a pergunta inicial. Caro leitor, caso você não esteja se sentindo assim pela pessoa que está ao seu lado, deixe-a ir. Não prende não! Pois você realmente pode estar impedindo que uma pessoa incrível se aproxime de você.

Se despeça do amor forçado, do carinho fabricado, das conversas que até são boas, mas não fluem tão bem.

Ali, em algum canto do universo, talvez do outro lado do mundo ou talvez há três quadras da sua casa, pode estar sua alma gêmea ou algo equivalente, o tesouro com o qual a vida resolveu te presentear.

 

[N.D.]

Comments

comments