Então você tem o dedo podre… Se apontá-lo para você, o que ele encontra?

Cansada de escutar as pessoas falando que tem o dedo podre. Sério, aos meus ouvidos esse mito não se cria. Tenho pena do seu injustiçado dedo indicador. Antes só o criticavam porque ele destruía a decoração de chantili dos bolos de aniversário, hoje é o verdadeiro vilão da sua sofrência. Coitado dele. Como se ele fosse o responsável por dar abertura aquele cara que você conheceu bêbada, 06h da manhã enquanto limpavam o chão da balada, como se o seu dedo tivesse assumido o lugar do seu cérebro e enviado um estímulo às suas mãos para responder aquele whatsapp de boa noite, como se o seu indicador fosse responsável pelas inconseqüências das suas taras, pela ingenuidade do seu coração.

Esse negócio de apontar sempre para pessoa errada não existe. O que existe são más escolhas associadas a uma sem-vergonhice descarada. Tudo bem vai, o destino também tem uma parcela de culpa naqueles casos que contrariam a regra. Por exemplo: Ele foi um fofo com todas suas ex namoradas, e justo com você ele foi o chorume do lixo, nesse caso querida, não é dedo, mão, corpo, cabeça… Não era prá ser mesmo, bola frente que atrás vem gente.

Acontece que nós precisamos responsabilizar alguém pelos nossos achaques, escorar em outrem nossas fraquezas. Muito difícil assumir que enquanto o príncipe encantando te mandava flores e não queria avançar o sinal vermelho naquela madrugada dentro do carro, você estava pensando em qual lingerie usar naquele encontro com o canalha que já tinha namorado a fulana, paquerado sua vizinha, beijado sua prima, transado com a menina da academia. Admita: Dentre a cartela de pretendentes que a vida te apresentar, você prefere quebrar a cara mil vezes para depois avaliar a possibilidade de se envolver com alguém do grupo de menor risco de emocional.

Daí é sábado à noite. Faz uma noite linda de um calor delicioso e você já separou aquele vestido matador. Você quer sair, está ligeiramente mal intencionada, afinal, faz tempo que alguém do outro sexo não povoa seu infinito particular. Começam a surgir os convites. Suas duas melhores amigas vão para lugares diferentes. Sua parceira da época da faculdade vai sair com uma galera diferente. Vai rolar um churras na casa de um amigo do primo do namorado dela. Você não conhece muita gente, mas pode ser uma boa: Gente nova, com assuntos novos, fora do que você está habituada a classificar como ”não presta”. Enquanto isso… Na outra janela do facetime… Tem sua amiga do prédio te convidando para o mesmo poleiro que vocês freqüentam há 10 anos. Ah lá sim! Vão estar todos conhecidos! É aniversário do Joãozinho e à noite vai ser de arromba.

Você se decide pelo aniversário do Joãozinho. A culpa de pegar aquele traste que antes de você chegar já tinha se enroscado com a Maria é do seu dedo, ou da limitação que você mesma coloca no seu circulo de convivências? Como se espera acertar a mão onde já se é bem sabido que só há erros? O passado te ensinou você não aprendeu. O acaso te deu outra chance e você ignorou. Não venha falar de dedo podre, essa conversa de que seus 20 dedos, contando os do pé, são defeituosos. Culpe-se por não ter comprado antes o óleo de peroba para lustrar essa sua cara de pau.

Imagino o quanto esteja sendo difícil de ler a realidade. É o fim da linha para as desculpas esfarrapas. Esse seu dedo nunca foi do mal, ele não é o bicho papão da história de terror da sua jornada amorosa. Essa teimosia demasiada em procurar álibis para nossas imperfeições. Não é proibido errar, nunca! Reprimido é se eximir de culpa. Somos os verdadeiros donos das nossas inclinações, semeadores do nosso caminho. Por motivos muitas vezes incompreensíveis acreditamos no duvidoso, desconfiamos do certo. Somos assim, instintivamente contraditórios, construídos de falhas em cima de falhas até o acerto final.

Assuma sua culpa perante os dramas do caminho, a responsabilidade das suas predileções.

Aponte esse dedo podre para si mesmo e veja a quem ele atingirá.


 

[T.M.]

  • #8230; Se apontá-lo para você, o que ele encontra?: http://confissoescotidianas.com.br/entao-voce-tem-o-dedo-podre-se-aponta-lo-para-voce-o-que-ele-encontra/" onclick="window.open(this.href, 'mywin','left=50,top=50,width=600,height=350,toolbar=0'); return false;"> Tweet 0
  • Share 0
  • +1
  • WhatsApp
  • LinkedIn 0
  • Email

Comments

comments